Você tem medo de falar com o chefe?

Tempo de leitura: 4 minutos

Quando se fala sobre comunicação nas empresas, é comum associar isso aos canais de comunicação interna e às estratégias de multiplicar internamente uma informação. Mas, de nada adianta promover formas para que a comunicação chegue aos vários públicos, se a comunicação do indivíduo não avançar. Protocolo é uma coisa, a prática é outra, bem diferente. Ainda que haja uma estrutura desenhada para que a comunicação flua, é preciso investir na comunicação pessoal para aproveitar de forma inteligente a contribuição de cada um. Tente encaixar isso na realidade da empresa que você trabalha: existem os tais canais de comunicação? E como as pessoas tiram proveito disso? Normalmente, há falhas e subaproveitamento, porque não se trabalha a comunicação do colaborador.

Tem gente que tem medo de falar com o chefe. E isso é mais comum do que você imagina. Já atendi executivos, diretores de grandes empresas, que diziam ter medo de falar com o chefe ou de se posicionar numa reunião em que os outros participantes tinham cargos mais altos que os deles.

E essa deficiência, normalmente não é por falta de conhecimento do assunto, não. Claro que é arriscado sugerir uma ideia num encontro de trabalho sem ter argumentos consistentes e domínio do tema, mas o que pesa mesmo é a insegurança. E lá vou eu relacionar comportamento com comunicação, porque não existe uma maneira de separar esses dois aspectos.

Você deve respeito ao seu chefe sim e deve respeito a qualquer outra pessoa, independente da escala hierárquica. Vejo que as vezes o chefe nem é bravo, nem tem fama de muito rígido e mesmo assim seus subordinados têm medo dele. Então, concluo que o problema não é o chefe e talvez seja a sua maneira de encarar esse chefe. A questão não é o respeito exagerado ao outro, a questão é o posicionamento de quem se esconde atrás do medo e prefere não se mostrar. Qual é o medo? Por acaso você é uma farsa que se expuser demais, vão descobrir que não é tudo isso? Se o posto que você ocupa faz jus ao conhecimento que você tem, à sua disposição de assumir desafios e ao compromisso de se melhorar a cada dia para chegar mais à frente, qual é a dificuldade de assumir tudo isso? Será que, por acaso, você acha que não merece estar onde está? Já pensou sobre como você avalia o merecimento do que já conquistou até hoje?

Tem gente que vive se desculpando; já percebeu? Tem receio de dizer o nome do cargo porque acha que vai parecer arrogante; não gosta de contar sua trajetória profissional, porque sente que alguém poderá pensar que está se gabando e evita até compartilhar conhecimento, com receio de achar que alguém vai concluir que o objetivo é aparecer.  Se você chegou onde chegou, eu quero crer que foi por seus méritos. Se não foi, aí sim talvez você tenha motivos para ficar com medo de se expor, de se relacionar de igual pra igual com as pessoas e de se posicionar positivamente.

Eu vou ficar com a primeira opção, é mais fácil. Sabendo então que você avançou na vida, ou seja, tem história pra contar, vá agarrar o que é seu, vá tomar posse do seu espaço! Enquanto você se omite, outros se destacam. É ou não é assim que acontece? Eu acompanho a angústia de quem me procura para se comunicar melhor dizendo que tem medo de ousar, que evita estar visível e fica constrangido com a posição de destaque que a comunicação dá pra quem aceita. Só quem aceita se desenvolver, poderá se comunicar com altivez, com segurança, com autoconfiança e a certeza de que está fazendo o melhor que pode. Por isso não adianta apenas conhecer as técnicas: ‘5 dicas para se posicionar bem numa reunião de negócios’ ou ‘fale com seu chefe com segurança em 3 passos’. Isso é título pra ganhar leitores e pode até oferecer o passo a passo, mas só vai conseguir assimilar, assumir e praticar isso quem se trabalhar internamente, quem aceitar o desafio do autoconhecimento pra administrar bem a vulnerabilidade de um lugar alto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *